TProjeto piloto “Robótica Espacial”

Introdução do STEAM, programa Desenvolvimento Regional, Governo e Desafios da Educação Básica.

O projeto é uma iniciativa pedagógica da Universidade de Brasília - UNB e do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE, com apoio técnico da Agência Espacial Brasileira.

A razão do projeto

Em poucos anos, bem poucos, na verdade, a internet móvel trabalhará em altíssimas velocidades, com a chegada do 5G. Cientistas e analistas chamam esse processo de a “Quarta revolução industrial”. As condições de trabalho, em todo o planeta, vão sofrer enormes mudanças. É preciso preparar as crianças e o jovens para este futuro, cada vez mais atual.

Se no passado, o conhecimento de Word e Excel eram suficientes, para garantir uma vaga de emprego, hoje as exigências são muito maiores. Portanto, mais do que nunca, a inovação e a educação digital precisam ser vistas, como uma prioridade para o Brasil.

Essa é a hora de educadores, com o auxílio de ferramentas tecnológicas, darem um passo à frente. É uma questão de soberania nacional, pois precisamos preparar os jovens inventores brasileiros, para elevar o nível de produção científica e patentes nacionais. O Brasil precisa investir em educação, mas, uma educação que, também, aponte para o futuro. Esse é um desafio que você pode nos ajudar a vencer.

Next

O que é?

Um curso totalmente digital, de autoaprendizagem, com o uso de uma plataforma pedagógica, que oferece aos alunos conhecimentos teóricos e práticos sobre robótica.

A plataforma usa simuladores, para que os alunos vivenciem, de forma bem realista, a criação e montagem de um robô Rover Veicule, inspirado no projeto Artemis, liderado pela NASA, do qual o Brasil faz parte, por meio da Agência Espacial Brasileira.

Durante as etapas do curso, os alunos passam por reforços didáticos, resumos simplificados, dicas práticas, testes e avaliação progressiva

Next

Temas abordados

As aulas combinam teoria e prática, simulando o uso de multímetros, ferramentas mecânicas, motores, microcontroladores, protoboards, leds, sistemas elétricos e módulos Bluetooth. Os alunos passam a conhecer o conceito de cada componente, montagem, interligação, configuração e programação, chegando até o robô realizado.

Professores da escola
Os professores não precisam entender de robótica, tampouco participarão das aulas, que acontecem, somente, no ambiente virtual, com sistema de autoaprendizagem.

No entanto, a participação da direção da escola e dos professores é muito importante. O protagonismo será da escola, que, afinal, é quem detém o conhecimento das aptidões dos alunos e saberá escolher os mais indicados. A escola será o canal de distribuição das licenças.